Prefeitura do Rio analisa descontos de IPTU

Reportagem publicada no jornal O Globo informa que a Secretaria Municipal de Fazenda e Planejamento (SMFP) está fazendo um pente-fino nos cadastros de cerca de 2,7 mil imóveis que tiveram isenções ou abatimentos previstos em leis. Entre eles está  o antigo Hotel Glória, ícone da arquitetura neoclássica da Cidade e fechado desde 2013 como reflexo de problemas financeiros do ex-proprietário, o empresário Eike Batista.  Segundo a reportagem o imóvel deixou de recolher pelo menos R$ 1,9 milhão de IPTU em 2019 e 2020 por falhas no cadastro da Prefeitura. O prédio era beneficiado por um desconto de 40%, aplicável somente para estabelecimentos que hospedem visitantes, como forma de estimular a atividade. A reforma do prédio – objeto de diversas postagens neste blog – um projeto ambicioso do empresário, que comprou o edifício em 2008 por R$ 80 milhões, parou há(Leia mais)

Pedra Cantada: Hotéis do Rio devem ser transformados em prédios de apartamentos

Na última semana, a Prefeitura do Rio autorizou que o Hotel Glória seja convertido em um edifício residencial e de escritórios. Fechado desde 2013, o primeiro cinco estrelas do país deverá ser o primeiro de vários empreendimentos a passarem por essa transformação. Em 2020, o hotel começou receber obras para se tornar um empreendimento residencial, com mais de 250 unidades com conceito de apartamento tipo casa, com espaço amplo de um a quatro quartos, jardim e área de até 314 metros quadrados. O edifício foi comprado pelo Grupo Opportunity. O imbróglio envolvendo o Hotel Glória foi tratado diversas vezes neste blog (veja mais no final deste post) por ocasião da autorização concedida, na época, ao empresário Eike Batista, sendo o imóvel totalmente demolido internamente, inclusive o Teatro, embora a lei determinasse que os teatros demolidos devessem ser substituídos por outros,(Leia mais)

Antigo Hotel Glória será transformado em residencial de alto padrão

Segundo informações do portal Lancamentos RJ, especializado no mercado imobiliário de lançamentos, o Hotel Glória, símbolo do Rio de Janeiro de outras épocas, foi vendido ao grupo Opportunity, e será restaurado e retrofitado para transformar-se num luxuoso prédio de apartamentos. O hotel, que é tombado pelo Patrimônio Histórico, completa 100 anos em 2022. Ele foi construído para a realização da Exposição Nacional em comemoração ao Centenário da Independência do Brasil, em 1922. O imóvel pertence ao Fundo Soberano de Abu Dhabi, o Mubadala, que vinha realizando uma espécie de concorrência para buscar um comprador para o antigo hotel, que havia sido desfigurado pelo ex-bilionário Eike Batista, que visava transformá-lo num hotel 6 estrelas, mas acabou sendo pego de surpresa bem no meio da obra que conduzia no local. Os valores da oferta de venda são sigilosos. Paralisadas as obras, o(Leia mais)

O Hotel Glória foi-se. O Hotel Copacabana Palace, quase – nos anos 1980.

O caso e o ocaso do Hotel Glória em nome dos Jogos Olímpicos, de passado destruído, presente abandonado e futuro incerto, foi objeto de várias postagens neste espaço urbano-carioca. Para o Glória, quem sabe ainda reste uma fachada com o miolo refeito. História que muitos desconhecem é a que na década de 1980 seu irmão, o Hotel Copacabana Palace, por pouco não teve destino igual ou pior: dele nada restaria. É o que nos conta Maximiliano Zierer no artigo abaixo reproduzido. Cabe lembrar que, posteriormente houve nova tentativa de modificar o conjunto, quando seriam demolidos o Anexo e o Teatro, e mantido o prédio principal, projeto de outro famoso escritório de arquitetura, felizmente também sem êxito. Boa leitura. Urbe CaRioca     Projeto de demolição do Copacabana Palace para a construção de cinco espigões Maximiliano Zierer, 01/09/2018   Imaginem o(Leia mais)

Hotel Glória: o abandono visto de vários ângulos

Dando continuidade ao post “Ainda sob ruínas, Hotel Glória amarga expectativa por um plano de revitalização” , novas imagens do Hotel Glória. Em breve comentaremos as notícias recentes divulgadas na grande mídia sobre o fechamento dos hotéis ditos “olímpicos”.       Veja ainda: Após expansão de leitos para Olimpíada, crise leva 13 hotéis a fechar as portas no Rio Hotéis pedem socorro à Prefeitura do Rio

Ainda sob ruínas, Hotel Glória amarga expectativa por um plano de revitalização

Fechado e com as obras paralisadas desde o colapso do Grupo EBX, em 2013, comandado por Eike Batista, o Hotel Glória, primeiro cinco estrelas do Rio de Janeiro, construído em 1922, ainda amarga, sob ruínas, a expectativa por um plano de revitalização.  O fundo árabe Mubadala, de Abu Dhabi, assumiu em 2016 o hotel. Porém, por causa da recessão econômica que atingiu o Brasil nos últimos anos, o projeto de reestruturação do Hotel Glória ainda não foi sequer iniciado. Segundo publicações recentes,  Menichini, que vive em Abu Dhabi, e outros investidores,  aguardam uma estabilidade política no Brasil, após as eleições de novembro, para tentar retomar as obras do edifício. A previsão é de que serão necessários US$ 100 milhões para finalizar a reforma do prédio. Enquanto isso, as lembranças do imponente hotel que abrigou grandes artistas do cinema, cantores, políticos e chefes de Estado,(Leia mais)

PRÉDIO DO FLAMENGO, HOTEL GLÓRIA, MARINA DA GLÓRIA, E O TRIÂNGULO REEDITADO

As leis urbanísticas vigentes na Cidade do Rio de Janeiro vedam o uso de hotel nas zonas classificadas como Zona Residencial 2, ZR-2. É o caso da Avenida Rui Barbosa. Devido ao desejo de permitir a transformação de uso do prédio pertencente ao Clube Flamengo, situado no número 170 daquela avenida, quando da edição do primeiro grupo de leis conhecidas como “Pacote Olímpico”, em 2010, uma vereadora – e presidente do clube na época – fez emenda ao projeto de lei complementar que se tornaria a LC nº 108/2010, permitindo a atividade de hotel em todo o bairro do Flamengo. O objetivo era abranger o prédio em questão e tornar viável a venda/arrendamento do imóvel para o grupo empresarial que pretendia construir o que chamamos de “Triângulo da EBX”, objeto de vários posts neste blog, formado por um novo hotel(Leia mais)

MARINA DA GLÓRIA – CENTRO DE CONVENÇÕES ASSOMBRA PARQUE DO FLAMENGO. DE NOVO.

Como uma assombração que paira, o Parque do Flamengo se vê ameaçado, mais uma vez, pela construção (e/ou instalação) de um Centro de Convenções, uso estritamente comercial, alheio à finalidade da área pública e de lazer em que se constitui o Parque, ainda carinhosamente chamado pelos cariocas de “aterro”, devido à sua origem na década de 1960, criado com material de desmonte do Morro de Santo Antônio.   OG, 04/05/2017     A nota publicada hoje na coluna Gente Boa (O Globo, 04/05/2017 Marina da Glória ganha centro de convenções: ‘Sonho de hoteleiros’) – provavelmente “plantada” para conhecer as reações – afirma que “Riotur e o Rio Convention Bureau bateram ontem o martelo com a BR Marinas para a instalação de uma área fechada de 5 mil m², e mais 6 mil m² de espaço aberto”.     Sonho de(Leia mais)