Ramos, subúrbio carioca, amarga meia década de abandono das obras de “Legado Olímpico”

O geógrafo Hugo Costa, incansável e atento observador das carências dos subúrbios cariocas, destaca que neste mês, Ramos, na Zona Norte do Rio de Janeiro,  “comemora”, ou melhor, agoniza, meia década de abandono das obras de “Legado Olímpico” que destruíram a região. “Nada mudou desde 2014”, destaca. Confiram este triste e lamentável cenário.

Urbe CaRioca[...] Leia mais

O MPF e as obras “Pra Olimpíada”

A notícia abaixo foi divulgada no site do Ministério Público Federal nesta sexta-feira, dia 5 de outubro de 2018.

Urbe CaRioca

MPF questiona Paes, Crivella, Picciani e outras 18 pessoas e entidades sobre irregularidades nas obras das Olimpíadas

São mais de R$ 400 milhões bloqueados por irregularidades e cerca de 1,5 mil vícios construtivos

O Grupo de Trabalho Olimpíadas da Procuradoria da República no Rio de Janeiro vem requisitando uma série de documentos e informações a todos os órgãos e entidades envolvidas com o legado olímpico.[...] Leia mais

O Hotel Glória foi-se. O Hotel Copacabana Palace, quase – nos anos 1980.

O caso e o ocaso do Hotel Glória em nome dos Jogos Olímpicos, de passado destruído, presente abandonado e futuro incerto, foi objeto de várias postagens neste espaço urbano-carioca. Para o Glória, quem sabe ainda reste uma fachada com o miolo refeito. História que muitos desconhecem é a que na década de 1980 seu irmão, o Hotel Copacabana Palace, por pouco não teve destino igual ou pior: dele nada restaria. É o que nos conta Maximiliano Zierer no artigo abaixo reproduzido. Cabe lembrar que, posteriormente houve nova tentativa de modificar o conjunto, quando seriam demolidos o Anexo e o Teatro, e mantido o prédio principal, projeto de outro famoso escritório de arquitetura, felizmente também sem êxito. Boa leitura.[...] Leia mais

Hotel Glória: o abandono visto de vários ângulos

Dando continuidade ao post “Ainda sob ruínas, Hotel Glória amarga expectativa por um plano de revitalização” , novas imagens do Hotel Glória. Em breve comentaremos as notícias recentes divulgadas na grande mídia sobre o fechamento dos hotéis ditos “olímpicos”.

Veja ainda:
Após expansão de leitos para Olimpíada, crise leva 13 hotéis a fechar as portas no Rio
Hotéis pedem socorro à Prefeitura do Rio[...] Leia mais

A Ciclovia que nasceu errada

Além de erro urbanístico, paisagístico e estrutural, para citar o mínimo, agora é objeto de furto. Mais uma vez, dinheiro público rasgado em nome dos Jogos Olímpicos, sem que responsáveis sejam responsabilizados.

Veja mais detalhes no vídeo abaixo que circula nas redes sociais feito por um ciclista e também na matéria do jornal “O Dia”.

Urbe CaRioca

Abandonada, ciclovia Tim Maia é alvo de saqueadores[...] Leia mais

Sobre o Maracanã que não existe mais

Na época da obra que mutilaria o antigo Estádio Jornalista Mário Filho, o conhecido Maracanã, ainda carinhosamente apelidado ‘Maraca’, este Urbe CaRioca manifestou-se insistentemente sobre o que considerava um enorme erro: modificar o gigante em sua essência, caracterizada principalmente pela enorme marquise em balanço que o distinguia.

O retrocesso das políticas de proteção ao patrimônio cultural, e o triste caso do Maracanã, estiveram em alguns posts, entre os quais:[...] Leia mais

Cocheira do Imperador e Cocheira da Rainha

Marconi Andrade – do grupo S.O.S. Patrimônio – denunciou o estado de abandono das antigas cocheiras do Imperador há mais de dois anos. O descaso para com o importante patrimônio cultural foi objeto de críticas por parte do historiador Nireu Cavalcanti e também denunciado neste Urbe CaRioca, por ocasião da proposta inimaginável e absurda de se construir uma rodoviária no local “pra olimpíada”, como desejava a gestão anterior (v. o post RODOVIÁRIA EM SÃO CRISTÓVÃO – LANÇADO O EDITAL, de 19/06/2015, e as publicações anteriores, inclusive com críticas do ponto de vista urbanístico, além da perda de um bem cultural inestimável).[...] Leia mais

POLUIÇÃO, JACARÉS E O CAMPO DE GOLFE: O QUE OS UNE?

Resposta: o Urbanismo, o Meio Ambiente, os Jogos Olímpicos, e o Ministério Público. Explica-se.

Ontem publicamos CAMPO DE GOLFE DITO ‘OLÍMPICO’ – NOVA DISPUTA, em referência a um litígio sobre a propriedade do terreno noticiado pela grande imprensa. Cabe lembrar que as análises deste site sobre a construção do campo de golfe em área de reserva ambiental estão disponíveis para busca com os marcadores ‘Campo de Golfe’, ‘Gabaritos’, ‘Mercado Imobiliário’ e ‘Jogos Olímpicos’, entre outros: o foco esteve nas questões do uso do solo, do sistema viário, e do meio ambiente.[...] Leia mais

COITADOS VELÓDROMOS!

O primeiro, construído para os Jogos Pan-Americanos 2007 com dinheiro público, foi demolido pelo prefeito anterior. “Não servia”.

O segundo é atingido por um balão.

Ao que consta duas coisas são proibidas. Desperdiçar verbas públicas e soltar balão. Estamos em terra sem lei. Em quase todos os sentidos.

Enquanto o primeiro velódromo, desmontado, ainda está à espera de quem o queira montar, o Parque Olímpico está praticamente sem uso.[...] Leia mais

O RIO DE JANEIRO E O URBANISMO CARECA-CABELUDO

ILHA PURA: NEM É ILHA, NEM É PURA  – Vila dos Atletas, mais um imenso condomínio de edifícios altos, em Jacarepaguá foi escrito há um ano e republicado no último fim-de-semana na página Urbe CaRioca do Facebook. Teve, outra vez, boa repercussão.

No último dia 17 a grande mídia informou que apenas 204 imóveis dos 3604 construídos haviam sido vendidos. Por coincidência, no mesmo dia vimos anúncio de venda de apartamentos em vários condomínios na região Barra da Tijuca com a chamada: “40% de desconto e mude-se em 12 dias”. Este quadro resulta da crise econômica que o país vive, em especial o Estado do Rio de Janeiro? Há excesso de oferta na região? A resposta deve ser – ambos.[...] Leia mais

CLUBES DE FUTEBOL – AGORA FLUMINENSE QUER ESTÁDIO NO PARQUE OLÍMPICO

E propõe outro destino para a estrutura destinada a quatro escolas

A notícia foi publicada na última quinta-feira, feriado de Corpus Christi, no site Globo Esporte, após divulgação no site NetFlu. Conforme título, o Fluminense Football Club deseja erguer estádio próprio no parque olímpico, não mais no terreno vizinho ao condomínio que abrigou a Vila dos Jogos Pan-Americanos.

Segundo a notícia, o Fluminense prefere aquele ao local anteriormente previsto “próximo à Vila do Pan, o qual o clube firmou memorando de entendimento com um fundo imobiliário (…) O índice de construção precisa ser alterado, o que depende da prefeitura. Além disso, por ser em área de mangue, exige aterramento, como feito nos moldes do CT. Não há ainda rede de abastecimento de água e energia elétrica”.[...] Leia mais

DE TRABALHADORES NÃO PAGOS A ARENAS INÚTEIS, LEGADO OLÍMPICO DO RIO DE JANEIRO TORNA-SE HERANÇA A LAMENTAR, de Scott Stinson

O título acima é tradução livre do artigo publicado no site National Post – www.nationalpost.com – no último dia 24.

Em relato detalhado o autor faz várias indagações, desde sobre o paradeiro das sementes levadas por atletas durante a lindíssima abertura dos Jogos Olímpicos – que seriam destinadas à formação de um parque no pólo de Deodoro – até o prometido tratamento de esgotos que nunca chegou, sendo substituído por uma solução barata: barreiras destinadas a afastar os dejetos dos locais de competições, uma solução temporária.[...] Leia mais