Musiquinha infantil para espantar o coronavírus, by Reclamilda

Queridos amigos,

Eu, Reclamilda, todos sabem, não reclamo. Apenas penso, discuto com minhas melhores amigas Elogilda a Ana Lisa. Palpiteiras conscientes que somos, palpitamos juntas sobre o que entendemos ser melhor para a nossa cidade depois de muita conversa civilizada.

Em tempos tão estranhos nesta urbe carioca e no mundo, quando surge um bichinho malvado sem freios ou limites que nos obriga a ficar em isolamento, obedientes ao que mandam médicos e gestores públicos continuamos a nos encontrar graças à magia da internet: reclusas porém unidas pela saúde nossa e de todos! Somos idosas! Leia mais

Parque Nelson Mandela – sem parque, sem estacionamento

Reprodução do texto publicado na página da Associação de Moradores do Recreio – AMOR

O dia 22 de dezembro foi mais um domingo de sol no Recreio (Zona Oeste do Rio de Janeiro) e como, infelizmente acontecia, a área do Parque Nelson Mandela – Reserva e que faz parte do mosaico de Parques da região teve sua barreiras de concreto removidas e estava invadida por um estacionamento ilegal que ignorava as placas de alerta. Leia mais

Rio, dita Capital Mundial da Arquitetura, atropela, como de costume, sua legislação urbanística, de Sonia Rabello

Neste artigo, publicado originalmente no site “A Sociedade em Busca do seu Direito”, a professora e jurista Sonia Rabello destaca o envio pela Prefeitura do Rio à Câmara de Vereadores de um projeto de lei que altera os parâmetros de uso e ocupação do solo sem qualquer diagnóstico, estudos, demonstração de impactos ou submissão prévia ao Conselho de Política Urbana da Cidade – COMPUR. Leia mais

QUANDO EU ERA CRIANÇA, 2019 – O BECO DA TAMANDARÉ

CrôniCaRioca

Beco (Dicionário Houaiss) – subst. masculino – 1 rua estreita e curta, por vezes sem saída; ruela – 2 Regionalismo: Ceará. m.q. esquina

Chamávamos o lugar de Beco. Ruas nem tão estreitas nem tão curtas aos olhos de uma menina pequena, saídas havia. Quatro entradas, portanto, quatro saídas. Beco, ainda que diferente.

Nos anos 1950 e 1970, Zona Sul da Cidade Maravilhosa, a relação dos moradores com as ruas, por certo menos intensa do que na Zona Norte, ainda era rica. O espaço formado pelas vias internas do conjunto de três edifícios, que ainda existe no bairro do Flamengo, era meu e de todos. Quanto aos prédios, um tinha frente para a Rua Almirante Tamandaré e outro para a Rua Machado de Assis. O terceiro era voltado à Praia do Flamengo. Neste morei ao nascer, em apartamento térreo bem pertinho da vida citadina: são os  Edifícios Nobre, Anchieta e Barth construídos pela Companhia Construtora Nacional em 1940 – a mesma que ergueu os hotéis Copacabana Palace, Glória e o Edifício A Noite. Ladeiam e delimitam as vias internas, então abertas para quem quisesse passar, cortar caminho, ou apenas conhecê-las. Carros entravam para estacionar ou ter acesso às garagens, em subsolo, iluminadas pela luz que passava através de tijolos de vidro no teto, o piso do pátio interno comum – ou área de iluminação e ventilação, ‘prisma’ para os acostumados aos Código de Obras. Leia mais

Sobre São Conrado, Joá e o desplanejamento urbano, de Washington Fajardo

A opinião do ex-presidente do Instituto Rio Patrimônio da Humanidade, conselheiro no Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Rio de Janeiro (CAU-RJ), criador do escritório Desenho Brasileiro, entre outros, Washington Fajardo sobre proposta para o bairro de São Conrado.

A Prefeitura do Rio planeja liberar a construção de prédios de até 11 andares em parte da Avenida Niemeyer, entre o Hotel Nacional e as proximidades do Túnel Zuzu Angel. Atualmente, no local são permitidas apenas casas. Quanto a estas, “poderão ocupar, caso a ideia vá adiante, uma área de encosta mais alta que a permitida atualmente. Outra mudança em análise é o aumento do gabarito em terrenos no entorno da Autoestrada Fernando Mac Dowell (Lagoa-Barra) em trechos ainda não verticalizados”. Vale a leitura ! Leia mais

ANIVERSÁRIO DO RIO, PEDIDO AO PREFEITO: SIM AO MUSEU DO HOLOCAUSTO, NÃO NO MORRO DO PASMADO

MIRANTE – Dicionário Houaiss

substantivo masculino
1 local elevado de onde se descortina um panorama
1.1 pequena construção isolada num jardim ou parque de onde se descortina um panorama
1.2 pequena construção ger. sobre um edifício de onde se goza a vista em redor

A questão é gravíssima. Merece alerta vermelho para os que são os gestores superiores, os fiscalizadores, e os controladores dos atos administrativos Leia mais

O que o ISS disse para o IPTU e para o ITBI?

A piada velha remete a uma propaganda antiga de bebida alcoólica. A resposta também é velha conhecida: “Eu sou você amanhã!”.

O paralelo, entretanto, nada tem de engraçado.

Depois do aumento do Imposto Predial e Territorial Urbano – IPTU e do Imposto de Transmissão de Bens Imóveis – ITBI, sancionado pelo Prefeito do Rio de Janeiro na última quinta-feira, é possível que o Imposto sobre Serviços – ISS sofra também aumento significativo, embora o verbo ‘sofrer’ se aplique em especial à população carioca e suas combalidas finanças. Leia mais

O PAI DA MINHA AMIGA CLEIA

CrôniCaRioca

Já contei histórias sobre a Mãe CaRioca, e sobre o Pai CaRioca – os meus – para celebrar as datas comemorativas em maio e em agosto, desde que o blog, agora site Urbe CaRioca, foi criado, em 2012, memórias familiares misturadas às coisas da cidade.

Nada preparado para 2017, eis que pela manhã me deparo com uma lembrança escrita por Cleia Schiavo, amiga de anos, e encontro semelhanças com as vidas de meus pais. A Mãe CaRioca, também nascida na Gávea, o Pai CaRioca, nascido no subúrbio, ela e minha avó trabalharam na Fábrica de Tecidos Carioca, no Jardim Botânico, ele, que me contava histórias e era autor de marchinha de carnaval! Ambos falecidos na mesma época do Sr. Alvize. Ainda, em comum, a valorização dos estudos, que se esforçaram para garantir aos filhos. Quem sabe nossos avós foram amigos nos tempos em que o apito da Fábrica soava implacavelmente às 7.00h e os portões se fechavam? Leia mais

A QUESTÃO AMBIENTAL CARIOCA PÓS-OLÍMPICA, de Hugo Costa

Em novo artigo, o autor avalia a questão ambiental do Rio de Janeiro com foco na expectativa frustrada em relação ao chamado ‘legado olímpico’, e nas carências da Zona Norte da cidade nesse contexto, e lembra que a região foi a que maior número de votos garantiu ao novo prefeito.

Note-se os diversos links para os assuntos mencionados, que foram destaque na grande imprensa. Não deixe de conhecer a imagem no final do artigo. Leia mais

VENDO O RIO, OITO TERRENOS DO MUNICÍPIO – DISCURSO E VOTAÇÃO DO PL Nº 1115/2015 EM 29/04/2015

Este link leva à discussão sobre a votação do Projeto de Lei nº 1115/2015, que prevê a alienação de oito imóveis municipais destinados originalmente à construção de escolas, praças, parques e jardins.

Do enorme texto que consta no site da Câmara destacamos a fala de alguns vereadores, que consideramos de acordo com as preocupações externadas em postagens anteriores neste blog.

A quem quiser conhecer discursos curiosos, veementes, estranhos ao tema, enganosos, vergonhosos, ou mentirosos…. E, sobretudo, tiver paciência… Há, de tudo, um pouco.

Os trechos foram selecionados pelo conteúdo e independem de preferências político-partidárias. O blog reitera que se atém a questões técnicas e prioridades que entende sejam de interesse da cidade e da população.

Os slides mostram a localização dos terrenos.

NOTA: Sonia Rabello comenta a aprovação do PL e, entre vários questionamentos, aponta possível conflito com lei federal tendo em vista as origens dos imóveis, doados à Prefeitura por imposição legal: neste link.

Urbe CaRioca

VISTAS AÉREAS COM INDICAÇÃO DOS IMÓVEIS



Leia mais

MOBILIDADE DEVE SER PRIORIDADE, AFIRMA NOVO PRESIDENTE DO IAB

Rio de Janeiro, Mapa Rodoviário.
http://www.brazadv.com.br
O Blog Urbe CaRioca reproduz entrevista concedida pelo arquiteto Sérgio Ferraz Magalhães a Ítalo Nogueira – jornal Folha de São Paulo -, publicada em 19/7/2012, na qual o atual Presidente do Instituto de Arquitetos do Brasil discorre sobre diversos temas de interesse geral das cidades e, em especial, sobre a Cidade do Rio de Janeiro. Os assuntos abordados, alguns instigantes, podem gerar bons debates. As imagens não constam da matéria original. Foram acrescentadas pelo Blog.  Boa leitura! =&0=& =&1=&
DO RIO O país planejou seu desenvolvimento econômico, mas esqueceu de preparar suas cidades. Resultado: metrópoles mal desenhadas que aumentam o custo de vida e desperdiçam seu potencial. A avaliação é do presidente eleito do IAB (Instituto dos Arquitetos do Brasil), Sérgio Magalhães, 67, que assume amanhã com três bandeiras: concurso público de arquitetos para todos os prédios públicos, execução de obras do Estado com projeto executivo, e fim da expansão territorial das cidades. O arquiteto diz que o investimento em bons projetos tem custo, mas evita desperdício após as obras. Na avaliação dele, as obras públicas no país contratadas a partir apenas de projeto básico estimulam o desperdício de dinheiro público. “Desde a Renascença se faz um projeto detalhado antes da execução da obra. Não diria que a Idade Média foi a Idade das Trevas, mas nesse aspecto sim”, disse.
Leonardo da Vinci, proposta de
níveis diferentes para o tráfego
The Urban Earth

Quais são as principais bandeiras da arquitetura hoje?
Temos que ter uma política urbana consistente que incorpore a dimensão da qualidade da produção do espaço público. Estamos com uma população urbana de 85% do total do Brasil. São mais de 170 milhões vivendo em cidades, e partimos de 12 milhões na metade do século passado, quando o processo de industrialização brasileiro se expandiu com mais consistência. Esse crescimento ocorreu num período que não é dos mais longos, entre 50 e 60 anos. Isso é uma dimensão monumental. Pouco países do mundo experimentaram.

Não só as cidades aumentaram, como o número de cidades aumentou. Se avaliarmos como se deu esse processo exponencial de crescimento, ele se deu do jeito que foi possível. O Brasil não projetou seu desenvolvimento urbano. O Brasil projetou seu sistema de desenvolvimento industrial, de agronegócio, a infraestrutura de energia elétrica e comunicações, o sistema financeiro… O Brasil sabia o que queria com a indústria: queria as indústrias de base e implantar parques industriais. No agronegócio, saímos de 30 a 40 toneladas de grãos para quase 200 milhões de toneladas. Tudo isso projetado. O Brasil se organizou para isso. Mas na questão urbana, o Brasil fez das cidades um instrumento para subsidiar os outros desenvolvimentos. Leia mais