O MUSEU DO AMANHÃ CHEGOU À PRAÇA MAUÁ

Clique no link abaixo para saber como tudo se passou desde que seu primo-irmão Guggenheim, pretendente a ocupar o mesmo lugar, foi vetado. Urbe CaRioca: Guggenheim, Cidade da Música e Museu do Amanhã, dois pesos e duas medidas  No post Guggenheim, Cidade da Música e Museu do Amanhã, um Post.zitivo com ressalvas…
Crédito: Blog Panrotas, foto de Carla Lencastre
=&0=&

ELOGILDA, RECLAMILDA, RIO EM DEZEMBRO

=&0=&=&1=&=&2=&
Internet
As amigas se encontraram no Centro, perto da Praça Mauá, “Oi, que saudade!”, dois beijinhos cariocas…
RECLAMILDA – Falta muito até a Praça, Elô! Dezembro no Rio, no Centro, que loucura, que calor! Será que a gente aguenta? A Rio Branco toda quebrada. Quer ver mesmo a reforma da Mauá, conhecer o tal museu novo?
ELOGILDA – Estamos quase chegando, Rê. Claro que aguentamos! O Rio está cada vez mais lindo, vale a pena! Nesta época é só animação, festas, presentes, Natal pertinho, água do mar igual ao Caribe, vi em fotos… E o calorzinho, que gostoso! Olha aqui, trouxe dois leques! Otimismo!
Crédito: Guto Costa

RECLAMILDA – Só você, Elô… No Metrô eu congelei, na rua o asfalto se derrete, 40 graus, vou ter pneumonia… Tá bem, tá bem, nada de falar sobre Linha 4, Linha 2, engarrafamento, poluição, gabaritos, inflação, pega-ladrão, corrupção, escolas ruins, hospital fechado, crise, dengue, zika… Faz de conta que está fresquinho, não estou com falta de ar! É Natal, né?


ELOGILDA – Agora eu gostei do papo alto astral. Mudando de assunto, já viu aquele filme lindo sobre o Rio, São Sebastião, a Construção de uma Cidade, vale a…


RECLAMILDA – Elô, olha, olha quem está ali! Pensei que ela estivesse fora do Brasil! Nossa amiga Ana Lisa! Ana Lisa!!! De volta ao Rio?

ANA LISA – Meninas que bom encontrar vocês! Vim só matar saudades, por uns dias… Quero aproveitar para conhecer a Praça Mauá reformada, os museus, dar uma volta no Centro. Depois, para o Galeão! Desta vez sem tiros na Linha Vermelha, espero! Pena que não tem Metrô até lá.

ELOGILDA – Barulho de fogos de artifício, por certo, querida.

RECLAMILDA – (suspiro) Nós também vamos ao museu que parece uma lacraia branca! Dizem que custou uma nota preta… Vamos juntas! Lisa, você que é “antenada”, conta o que acha sobre a situação do país, do Rio?

ELOGILDA – Deixa a Lisa, Rê! Ela veio passear. Além disso, a “situação” está muito boa! Que lacraia, implicante? O museu é lindo, parece que voa, voa para o futuro! Arquiteto renomado. Investimento em cultura é caro mesmo, ora!

ANA LISA – (para Elogilda) Não se preocupe, Elô, deixe a Rê à vontade! (para Reclamilda) Rê, vamos falar de Brasil outro dia? Quanto ao Rio… Bom, o Chacrinha não balança mais a pança, o Rio de Janeiro Continua Lindo, mas tem muito o que melhorar.



Tim Maia – Aquele Abraço – 1993 – Youtube


RECLAMILDA – Também acho! O que consertar primeiro?

ANA LISA – Hum…  Assistência Médica, Transporte, e Ensino Público de qualidade, faltam os três. Um sozinho não basta. A Segurança também vai mal.

ELOGILDA – Você está fora há tanto tempo, como sabe tudo isso?

Foto: Urbe CaRioca


ANA LISA – Elô, com internet a notícia chega na hora! Tem as redes sociais… Aqui comigo foi real, problemas logo nos primeiros dias. Sair do aeroporto já foi um drama! Engarrafamento, arrastão… Depois pra mostrar no peito minha paixão pelo Rio, comprei uma blusa com um “CARIOCA” bem grande, pus sandália de borracha, fui ver o mar… De repente um pivetão passou de bicicleta, arrancou meu cordão dourado, me empurrou, perdi o equilíbrio, caí no chão, ganhei três arranhões, uns roxos, o coração na boca… Perdi a bijuteria, a sandália e a blusa, mas, como diz o ditado, “Vão-se os anéis…” Ganhei a vida!


RECLAMILDA e ELOGILDA – Caramba, que susto!

ANA LISA – Um moço que trabalha por perto disse que o grandão está sempre por ali sozinho ou em grupo. Depois de ser ameaçado com revolver, por um deles, quando a turma chega fica logo de costas pra não ter que testemunhar!

RECLAMILDA – E o que você fez?


ANA LISA – Analisei a situação, comprei outra sandália, fiz um B.O. na delegacia, pelo menos entra para a estatística. Vi seis pastas com fotos… Alguns parecidos, mas, impossível identificar… Ele usava boné…

ELOGILDA – Você perdoou o coitado, tenho certeza, Ana Lisa. É a falta de oportunidade, injustiça social, no fundo são meninos ótimos. Quem sabe ele até já se arrependeu?

RECLAMILDA – (suspiro) Lisa, o Rio tem jeito?

ANA LISA – Queridas, ninguém vai diminuir o amor que tenho pela minha cidade. Comprei outra blusa, já fui passear na Lagoa, vi a Árvore de Natal refeita – menorzinha e bem simpática, não atrapalha a vista do Cristo – e hoje vim ao Centro com ela. Olha aqui, que linda, já posso tirar o casaco!

O MÊS NO URBE CARIOCA – NOVEMBRO 2015


Canagé Vilhena


Em NOVEMBRO várias postagens tiveram grande repercussão, em especial METRÔ, LINHA 2 – UMA VISITA À ESTAÇÃO CARIOCA, ADEUS, CINEMA LEBLON!, e AS ÁRVORES E O BURGOMESTRE LENHADOR, este uma fábula urbano-carioca que alude ao atual presidente do C40 e suas ações voltadas para o Meio Ambiente na Cidade do Rio de Janeiro.




O Campo de Golfe voltou a estas páginas virtuais acompanhado de um prognóstico incrível. A Roda-Gigante mais uma vez assombra a paisagem do Rio. Preciosos achados foram, infelizmente, perdidos devido à pequenez dos gestores públicos, causando tristeza e indignação.

Agradecemos a Felipe Pires pelo envio de O RIO DE JANEIRO E O PLANEJAMENTO URBANO MERCADOLÓGICO, a Carla Crocchi pelo poético e certeiro A RODA GIGANTE E O PÉ DE FEIJÃO, e a Sonia Rabello e Mario Moscatelli que gentilmente autorizaram a reprodução de textos muito importantes.

Boa leitura.
Urbe CaRioca

GUARATIBA: PEU A CAMINHO! – PARTE 1

Os moradores de Guaratiba estão preocupados com a nova lei urbanística que está a caminho – Projeto ou Plano de Estruturação Urbana – PEU para o bairro – e mudará os parâmetros construtivos na gigantesca região, antiga Zona Rural do Rio de Janeiro sabidamente composta, em sua maior parte, de áreas frágeis sujeitas a alagamentos, carente de infraestrutura urbana, e ocupada por muitas construções irregulares. =&0=&

ZONA PORTUÁRIA – FALTA HABITAÇÃO, FALTAM PROJETOS, SOBRAM CEPACS

Em 2011, a advogada e professora Sonia Rabello escreveu ‘Índices Construtivos Públicos Serão Mercadorias Monopolizadas’ e questionou a compra das CEPACS em ‘Negócios no Porto Maravilha: Publicizando os Riscos’Em 22/10/2012 a imprensa informou que não houve muito interesse pelas CEPACs. Neste Blog, demos destaque para o caso do Banco Central, cuja lei especial foi aprovada posteriormente à divulgação do texto. Trecho de =&1=&
Zona Portuária – gabaritos de altura conforme Lei Complementar nº 101/2009
=&2=&

O MÊS NO URBE CARIOCA – OUTUBRO 2015

A destruição, com retro-escavadeira, em fim-de-semana chuvoso.
Foto: Marcus Alves, 26/10/2015
Em OUTUBRO a destruição do piso bicentenário “pé-de-moleque” encontrado na Rua da Constituição durante as obras para implantação do Veículo Leve sobre Trilhos – VLT foi objeto de várias postagens, causando enorme espanto e indignação, entre essas o artigo VLT DO RIO ATROPELA A LEI E O PATRIMÔNIO CULTURAL DA CIDADE, de Sonia Rabello. =&0=&

HOTÉIS “PRA OLIMPÍADA” – SEM SURPRESAS

“Quanto ao futuro das construções gravadas com o uso eterno de hotel, só o futuro dirá. Dizem que eterno só Deus. No Rio de Janeiro, Deus tem concorrentes: os hotéis erguidos com as benesses olímpicas” – Trecho de DEMOLIÇÕES 4 – CASA DE PEDRA, PACOTE OLÍMPICO 1, HOTÉIS E BENESSES =&0=&

PRAÇA XV e RUA DA CONSTITUIÇÃO – PÉS-DE-MOLEQUE x CONCRETO

Praça VX de NovembroFoto: Marconi Andrade, 14/11/2015

PÉS-DE-MOLEQUE AGORA NA PRAÇA XV foi postagem de 28/08/2015 neste blog, sobre achados arqueológicos naquele local que surgiram em função das obras de urbanização em andamento realizadas após a demolição do Elevado da Perimetral e ainda em curso. Divulgado logo após a descoberta de calçamento de pé-de-moleque na Rua da Constituição durante obras para implantação de sistema de Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) – piso histórico destruído logo a seguir pelo governo municipal, infelizmente, na Praça XV, o destino foi o mesmo: voltar a ser coberto, antes por asfalto, agora por concreto.

Enquanto isso, em São João del Rei, após duas décadas, a Prefeitura deu início à retirada de asfalto que desde 1993 cobria o calçamento antigo de rua tombada, para cumprir determinação do Ministério Público Federal: aqui na Cidade Maravilhosa, onde tudo é “pra olimpíada, historiadores pediram a instalação da CPI do Patrimônio.


Leia mais

MARIO MOSCATELLI – CARTA ABERTA AO GOVERNADOR E AO PREFEITO

Rio Jacaré e Lagoa da Tijuca
Foto: Mário Moscatelli

Mario Moscatelli acompanha há algumas décadas as más condições ambientais de rios, lagoas e da Baía de Guanabara, bem como a devastação de faixas marginais e encostas devido às ocupações irregulares, na Cidade do Rio de Janeiro. O quadro encontrado se agrava a cada dia, como comprovam as diversas imagens que o biólogo publica nas redes sociais, e as várias explicações apresentadas em entrevistas, e os noticiários no rádio e na televisão.

A Carta Aberta reproduzida a seguir foi compartilhada no último dia 20/11 com o pedido de divulgação geral para que chegue aos endereçados: o governador do Estado e o Prefeito do Município, solicitação ora atendida por este blog.


Urbe CaRioca




SENHOR GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO JANEIRO

SENHOR PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO

Gostaria de alertá-los para a bomba relógio ambiental que os senhores e os demais moradores da Baixada de Jacarepaguá estão gestando.
Praticamente nada do que foi acertado sob o ponto de vista ambiental, foi executado, com vistas às “Olimpíadas à la brasileira“, como disse sarcasticamente o presidente do Comitê Olímpico Internacional – COI.
Internet


Os rios continuam podres como há seis anos – época da indicação da cidade para sediar o evento -, a recuperação das lagoas continua travada pelo preciosismo da avaliação dos experts do Ministério Público Federal – MPF, e as consequências para esse quadro são:

.   Proliferação de cianobactérias que, dependendo da espécie, podem causar câncer de fígado;
.   Proliferação de marcófitas aquáticas em canais e rios, aumentando a presença de insetos hematófagos – o que potencializa problemas como o da dengue reduz a drenagem dos mesmos, potencializando inundações;
.   Contaminação das praias da Barra e da Joatinga durante os períodos de maré baixa de sizígia por meio de todos os resíduos e contaminantes que saem das lagoas;
.   Mortandade de peixes como a ocorrida no mês de agosto passado no entorno do parque olímpico;
.   Mau cheiro insuportável, fruto da liberação de gás sulfídrico e metano, nas imediações do parque olímpico, proveniente dos rios podres;
.   Agravamento de todos esses problemas em consequência da continuação do crescimento desordenado sem freio.
Poderia me alongar com mais alguns itens, mas considero que esses já sejam suficientes. No “pior dos mundos” prováveis, além do fiasco ambiental da Baía de Guanabara, poderemos ter um fiasco ainda mais retumbante no sistema lagunar se entrar uma frente fria, de moderada a forte, que crie as condições de desestabilização ambiental necessárias para a eliminação de gases do fundo pútrido das lagoas e com a consequente mortandade de peixes, aliada a inundações, caso as chuvas sejam mais intensas.

Portanto, senhores, espero que prevaleça o bom senso, e os senhores com o pouco tempo residual que temos, façam efetivamente algo que possa nos gerar ao menos um mal estar menor diante de todo o mundo, bem como uma melhoria mínima das condições ambientais do sistema lagunar, atualmente e nos últimos 30 anos, uma grande “latrina e lata de lixo” em nossa cidade.

Destaco que todas as instalações olímpicas na Baixada de Jacarepaguá estão sob a influência direta da Lagoa de Jacarepaguá.

Conto mais uma vez com os atentos assessores de imprensa governamentais para que essa postagem chegue às autoridades o quanto antes.

Agradecido.

Biólogo Mario Moscatelli
Obs.: Solicito aos que comungam das minhas opiniões e alertas que repliquem a postagem a fim de que a mesa chegue aos tomadores de decisão enquanto há algum tempo.


Foto: Mário Moscatelli
Foto: Mário Moscatelli


Leia mais