E a Roda-Gigante foi para a Zona Portuária do Rio!

Nesta semana foi noticiado que a roda-gigante “Rio Star”, que está sendo construída na Zona Portuária do Rio de Janeiro, já está com 75% de sua estrutura montada e, em breve, deverá ser inaugurada.

O equipamento, que  chama a atenção de quem passa pela Via Binário e pelas ruas da região, promete ser uma grande atração turística, ocupando uma área de 2560 m² e medindo 88 metros. e com expectativa de receber um milhão de pessoas todos os anos.[...] Leia mais

Museu do Holocausto será mesmo no Pasmado

Museu no Pasmado ganhando forma e mostrando claramente um crime ambiental patrocinado pelo próprio Poder Público!

(Por Regina Chiaradia – Presidente da AMAB – Associação de Moradores e Amigos de Botafogo)

Foto Alexandre Salem

Abaixo, o vídeo feito e cedido gentilmente por João António Vieira com o auxílio de um drone que sobrevoou a região:

[...] Leia mais

A ocupação do espaço comum e menos calçada para todos …

01 de novembro de 2018 – Divulgado por Joaquim Ferreira Dos Santos

Assunto: A ocupação do espaço comum e menos calçada para todos …

Registro feito na Rua Pirajá, 174, em Ipanema, na Zona Sul do Rio, e publicado nas redes sociais nesta semana. Será esta mais uma calçada que começamos a perder ? Existe licença de obras? Que setor público autorizou?

Tudo indica que, mais uma vez, o espaço público ‘urbano-carioca’ será utilizado indevida e irregularmente, pois a estrutura por si demonstra que a área será fechada, o que não é permitido. Salvo se as normas edilícias houverem mudado recentemente (para pior), o que é pouco provável.[...] Leia mais

“Rio e o nosso Mirante do Pasmado: por que cedê-lo a uma associação privada por 30 anos?”, de Sonia Rabello

No artigo publicado no site “A Sociedade em Busca do seu Direito”, a professora e advogada Sonia Rabello destaca que o “caso” da disputa, por um grupo privado, para impor à paisagem carioca a sua marca e a sua escolha específica – um Monumento ao Holocausto da 2ª Guerra Mundial –  continua. “A Câmara de Vereadores, em lei `ilegal´ específica, contraria o Plano Diretor. E uma Associação poderá ser `dona´ da área por décadas ! Tudo em um Parque público, de uso comum do povo, que não foi (e nem poderia ser) desafetado pelo alcaide da Cidade”, afirma. Confira abaixo:

Urbe CaRioca[...] Leia mais

Morro do Pasmado – Prefeitura insiste em macular a paisagem carioca com obra inadequada

Sem se importar com o parecer negativo do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional  (IPHAN) (veja mais em “Morro do Pasmado – IPHAN protege a paisagem e nega a construção“), para o museu, a Prefeitura do Rio, através do Conselho de Política Urbana – COMPUR, tenta dar legalidade e tirar do papel o Museu do Holocausto.

Vale a pena conferir a matéria “Obelisco em homenagem às vítimas do Holocausto provoca polêmica”, do jornal “O Globo”[...] Leia mais

“Morro e Mirante do Pasmado no caminho da proteção da Paisagem Cultural Mundial”, de Sonia Rabello

No artigo publicado no site “A Sociedade em Busca do seu Direito”, a professora e advogada Sonia Rabello destaca as manifestações lidas na reunião do Comitê Gestor da Paisagem Cultural Mundial do Rio, na última terça-feira, dia 19 de junho. Na ocasião foi lido o parecer do técnico do IPHAN, no qual é negado a pretensão de se construir uma edificação no Morro / Mirante do Pasmado. “As reações da sociedade merecem e devem ser ouvidas”, afirma. Confira abaixo:[...] Leia mais

Morro do Pasmado – IPHAN protege a paisagem e nega a construção

Decisão do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – IPHAN

PARECER TÉCNICO nº 108/2017/COTEC IPHAN-RJ/IPHAN-RJ

ASSUNTO: Memorial do Holocausto

​REFERÊNCIA: Proc. 01500.900598/2017-17

Rio de Janeiro, 29 de novembro de 2017.

Trata-se de solicitação formulada pela Sra. Subsecretária de Urbanismo/UIH/SUBU, Verena Vicentini Andreatta, para que o IPHAN-RJ analise o Projeto de Memorial às Vitimas do Holocausto, ” a ser implantado em área do Parque Yitzak Rabin, Morro do Pasmado, bairro de Botafogo IV RA”.[...] Leia mais

Morro do Pasmado e a Paisagem Maculada – Uma polêmica quase internacional

Conforme amplamente divulgado pela grande mídia e objeto de diversos posts neste site urbano-carioca, a cada dia fica mais próxima a possibilidade de que seja erguida uma construção no topo do Morro do Pasmado, acrescida de um obelisco de cerca de 22,00m de altura, à guisa de criar o Museu do Holocausto.

Nunca será demais repetir que todas as homenagens aos mortos, e esforços para uma das barbaridades que ocorreu durante a Segunda Guerra Mundial não seja esquecida nem repetida, são válidos e justos. O sítio escolhido, entretanto, é inadequado, pelos vários motivos já expostos*.[...] Leia mais

Morro do Pasmado – A paisagem maculada e a opinião de Hildegard Angel

A DESTRUIÇÃO ASSISTIDA DA ZONA NORTE, de Hugo Costa

Diante das orientações sobre o uso do solo contidas no Plano Diretor da Cidade do Rio de Janeiro (Lei Complementar 111/2011) e de possíveis modificações nas leis urbanísticas vigentes conforme proposta da Prefeitura que tramita na Câmara de Vereadores (comentada em “Proposta de Código de Obras para o Rio – A Trilogia” e no artigo “Solo para quem usar“, de Eduardo Cotrim), as considerações do geógrafo Hugo Costa sobre as carências e o esvaziamento da Zona Norte carioca, classificada como Macrozona Incentivada, mostram a distância que existe entre intenções e ações governamentais, e a realidade encontrada nos bairros respectivos.[...] Leia mais

Criação do Prêmio Medalha do Mérito Cultural

A Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, recentemente, criou o Prêmio Medalha da Ordem do Mérito Cultural Carioca, a ser concedido a personalidades, órgãos, coletivos culturais e instituições públicas ou privadas que no Município do Rio se distinguem por contribuição relevante à cultura.O autor da proposta, o arqueólogo e historiador Cláudio Prado de Mello, explica a criação do prêmio, através de carta reproduzida abaixo.[...] Leia mais

O Carnaval passa e deixa marcas na Cidade

Após o Carnaval, as marcas do vandalismo e da falta de respeito com os bens públicos. Dois exemplos, entre tantos outros, ratificados pela inoperância e pela falta de planejamento dos órgãos públicos “competentes”.

As dunas de Ipanema

No primeiro, imagens da vegetação de restinga nas dunas de Ipanema, na Zona Sul do Rio, e canteiros destruídos durante a passagem de blocos no Carnaval pela orla. De acordo com o empresário , foram nove anos de dedicação junto com a sua equipe do Instituto-E somado ao trabalho de centenas de crianças de escolas públicas no plantio como educação ambiental, civilidade e inclusão. “Todos nós, cariocas e visitantes somos responsáveis por este desrespeito. Espero realmente que a um chamado para a recuperação das dunas, todos contribuam de alguma forma com o replantio. Que seja como as crianças plantando as mudas ou contribuindo sob doações, como faço desde o início”, afirmou em um texto publicado nas redes sociais. No dia 27 de fevereiro, inúmeras pessoas se reuniram para realizar um mutirão para o replantio[...] Leia mais