Patrimônio em risco: imóvel histórico do antigo Automóvel Clube continua abandonado

Uma imagem que contrasta a beleza de um frontão neoclássico e o abandono que se arrasta há anos. Assim pode ser descrita a situação do prédio que abrigava a antiga sede do Automóvel Club do Brasil, na Rua do Passeio, no Centro do Rio.

Inaugurado em 1860 com um baile ao qual compareceu Dom Pedro II, o prédio já foi residência do Barão de Barbacena e sede da Sociedade de Baile Assembleia Fluminense, da Sociedade Cassino Fluminense e do Automóvel Clube no Brasil, além de palco para o último discurso do então presidente João Goulart antes do golpe de 1964.  Tombado peloInstituto Estadual do Patrimônio Cultural (Inepac), o imóvel de três andares abrigou o Bingo Imperial até 2003, antes de fechar as portas e abrir caminho para o abandono e a decadência.[...] Leia mais

Os primórdios da Zona Oeste do Rio de Janeiro, de André Luis Mansur

Neste artigo, o jornalista e escritor André Luis Mansur destaca uma parte da sua obra “O Velho Oeste Carioca”, na qual resgata de forma detalhada e interessante a história da Zona Oeste do Rio de Janeiro, apresentando uma visão global da região e chamando a atenção para a sua riqueza histórica e natural. Vale a leitura !

Urbe CaRioca

Os primórdios da Zona Oeste do Rio de Janeiro

André Luis Mansur

A zona oeste do Rio de Janeiro, chamada de “sertão carioca” pelo escritor e pesquisador Magalhães Corrêa no livro de mesmo nome sobre Jacarepaguá, foi desde o início uma terra de latifúndios, de senhores e senhoras de engenhos e fazendas, cujos limites na maioria das vezes imprecisos davam origem a conflitos e processos judiciais que podiam se arrastar por anos. Com o tempo, essas grandes porções de terra trabalhadas por muita mão de obra escrava foram sendo fragmentadas, principalmente devido ao declínio da produção dos engenhos e das lavouras, dando origem a fazendas e propriedades menores e daí a bairros e localidades que muitas vezes mantiveram os nomes dos engenhos e fazendas que lhes deram origem. Para Adolfo Morales de los Rios Filho, sertão era “a terra que ficava ao longe”. E esclarece mais: “O sertão começava no limite suburbano das cidades e vilas, nos lugares por onde passavam afastados rios, nas florestas espessas, nos vales cercados por altaneiras montanhas; principiava no desconhecido que tanto se desejava conhecer”. (O Rio de Janeiro Imperial, de Adolfo Morales de los Rios Filho)[...] Leia mais

Iphan disponibiliza gratuitamente milhares de publicações sobre patrimônio brasileiro

por 

Desde sua fundação em 1937, o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) tem constituído e conservado um dos maiores acervos bibliográficos, documentais e iconográficos do Brasil. Ao todo, são 13 bibliotecas que guardam mais de 500 mil livros e periódicos, e estão interligadas entre si e às principais bibliotecas do país. Deste rico material, parte considerável está disponível online – e gratuitamente – na plataforma online do Instituto.[...] Leia mais

Vendo o Rio – Jardim de Alah: Atenção !

O Jardim de Alah é bem tombado municipal desde 2001. Qualquer intervenção depende da aprovação do Conselho Municipal de Proteção do Patrimônio Cultural da Cidade do Rio de Janeiro.

O que causa estranheza a este Urbe CaRioca – e nem deveria mais causar – é a repetição sem fim das mesmas justificativas apresentadas para venda ou cessão de determinados espaços públicos: a manutenção dos mesmos. Exemplo recente é a construção do futuro Museu do Holocausto no Morro do Pasmado.[...] Leia mais

Estação Ferroviária Leopoldina – Barão de Mauá, por Glória de Castro

Neste artigo, Glória de Castro, do grupo SOS Patrimônio, destaca a situação da Estação Ferroviária Leopoldina, no Centro do Rio, e lamenta o descaso com a memória de nossa cidade e o desinteresse das autoridades competentes. “Um patrimônio histórico relegado ao abandono. Laudo da PF diz que partes da Estação Leopoldina correm o risco de desmoronar, e que há avançado comprometimento estrutural do local”, afirma. Este espaço urbano-carioca indaga aos gestores públicos que providências pretende adotar para recuperar a importante edificação e integrá-la novamente à vida da cidade, requalificando as áreas vizinhas, inclusive em termos de segurança pública. Boa leitura. Urbe CaRioca

ESTAÇÃO FERROVIÁRIA LEOPOLDINA – BARÃO DE MAUÁ

Glória de Castro

Nós, com a conivência dos (in)competentes e (in)eficazes administradores que temos tido, continuamos comendo moscas em relação ao mundo…

A Estação Ferroviária Leopoldina – Barão de Mauá foi inaugurada em 1926 e fechada em 2004, quando pertencia à SuperVia. Localizada próxima ao Centro do Rio justamente para facilitar o acesso da população, a Estação Leopoldina atualmente tem dividido suas ações entre a cultura, o lazer e a realização de alguns shows.[...] Leia mais

Homenagem ao “Os Escoteiros” – “Ficaram as botas de um menino levado!”, de Júlio Schneiders

Após publicarmos, recentemente, a notícia de que a estátua “Os Escoteiros” foi furtada na Praça do Russel, na Glória, na Zona Sul do Rio de Janeiro e que, de acordo com informações, infelizmente, a escultura foi cortada e vendida por R$ 400 no ferro-velho, recebemos a mensagem do leitor Júlio Schneiders que neste momento, nos alenta através do seu poema.

Urbe CaRioca

Ficaram as botas
De um menino levado!
Um sonho roubado!
Por um vil metal![...] Leia mais

Estátua “Os Escoteiros” furtada foi vendida no ferro-velho

Publicamos recentemente, que a estátua “Os Escoteiros” foi furtada na Praça do Russel, na Glória, na Zona Sul do Rio de Janeiro. O caso é o sétimo furto a monumentos no Rio este ano, que já teve o roubo da estátua de Noel Rosa e das grades da Pira Olímpica. (Leia mais).

Agora, de acordo com informações de Marconi Andrade, do Grupo SOS Patrimônio , o Major Peres, comandante do “Aterro Presente”, disse que a investigação descobriu que a estátua foi cortada e vendida por R$ 400 no ferro-velho.[...] Leia mais

Estátua ‘Os Escoteiros’ é furtada na Glória

De acordo com informações de Marconi Andrade, administrador do grupo SOS Patrimônio, a estátua “Os Escoteiros” foi furtada nesta quarta-feira , dia 27 de maio, na Praça do Russel, na Glória, na Zona Sul do Rio de Janeiro. O caso é o sétimo furto a monumentos no Rio este ano, que já teve o roubo da estátua de Noel Rosa e das grades da Pira Olímpica.

Na manhã desta quinta-feira, apenas os pés e a base da estrutura estavam no local. A Gerência de Chafarizes e Monumentos da Secretaria Municipal de Conservação registrou um boletim de ocorrência para apurar o caso.[...] Leia mais

Igreja de Nosso Senhor do Bonfim: redes sociais em alerta !

Denúncia de Cláudio Prado De Mello sobre o desmonte na Igreja de Nosso Senhor do Bonfim, no Caju, na Zona Norte do Rio de Janeiro, divulgada via Facebook.

Urbe CaRioca

Denúncia alarmante e urgentíssima !

Cláudio Prado De Mello

A notícia fato chega do preservacionista Junior Rangel que acaba de nos mandar fotos de um crime contra o patrimônio tombado da Cidade do Rio de Janeiro.

Uma igreja ao lado de uma BR Nacional e que tem um posto policial a menos de 30 metros. O crime agora é contra a Igreja de Nosso Senhor do Bonfim, do Caju. Mais um patrimônio da época de D Pedro II sendo dizimado, como tantos outros de 2015 para cá.[...] Leia mais

Fazenda da primeira feitoria do Brasil, do século XIX, em risco na Ilha do Governador

Uma das áreas mais antigas da Ilha do Governador, na Zona Norte do Rio de Janeiro, a Fazenda da Ribeira, a primeira feitoria do Brasil, construída no século XIX, no Morro do Cabaceiro, está prestes a ver seu terreno desbastado para a construção de prédios de apartamentos, e pede socorro aos moradores da região para reverter essa situação.

“Trata-se de um raro exemplar de sede de fazenda, ainda com árvores centenárias ao redor, numa região que vem sofrendo muito com a ocupação desordenada e especulação imobiliária. Precisamos preservar o pouco que restou”, diz Marcus Monteiro, diretor do Instituto Estadual do Patrimônio Cultural. Mesmo com a opinião pública totalmente contrária, a obra está sendo tocada e poderá acabar com uma das últimas áreas de representação histórica da Ilha ainda existente fisicamente. Sem contar a destruição de dezenas de árvores, algumas centenárias. Um misto de agressões à  história, à cultura e à memória somadas à destruição ambiental em uma área que deveria ser preservada.[...] Leia mais

A História a um clique

O Instituto Rio Patrimônio da Humanidade publicou no site www.data.rio, a aplicação GIS “Patrimônio Cultural Carioca” que, além de apresentar uma breve história da proteção do patrimônio na Cidade do Rio de Janeiro e diversificado conteúdo sobre o trabalho desenvolvido pelo IRPH, também traz mapas georreferenciados (em GIS) e interativos que permitem consultar, aplicar filtros entre outras ferramentas de análise e pesquisa espacial sobre todo o acervo de Bens Tombados nas três esferas e governo, além de todas as áreas de proteção cultural, tais como as APACs, e seus Bens Preservados.[...] Leia mais

Patrimônio cultural desrespeitado: bustos “desaparecem” no Centro do Rio

Depois da obra irregular construída colada a um dos monumentos tombados mais antigos da Cidade do Rio de Janeiro, os Arcos da Lapa, e derrubada posteriormente,  Marconi Andrade, do grupo SOS Patrimônio, mais uma vez, aponta o desrespeito para com o patrimônio cultural da Cidade do Rio de Janeiro. A Prefeitura deve esclarecer e tomar providências a respeito.

“Acho que a cidade está sofrendo uma onda de roubos de bustos, foram três no Passeio Público, um em frente à Escola Nacional de Música,  dois na Praça Mahatma Gandhi, um enfrente ao Hotel Glória, um na Quinta da Boa Vista, entre outros”, afirma Marconi Andrade.[...] Leia mais