A QUESTÃO AMBIENTAL CARIOCA PÓS-OLÍMPICA, de Hugo Costa

Em novo artigo, o autor avalia a questão ambiental do Rio de Janeiro com foco na expectativa frustrada em relação ao chamado ‘legado olímpico’, e nas carências da Zona Norte da cidade nesse contexto, e lembra que a região foi a que maior número de votos garantiu ao novo prefeito.

Note-se os diversos links para os assuntos mencionados, que foram destaque na grande imprensa. Não deixe de conhecer a imagem no final do artigo.[...] Leia mais

UM RETRATO DA ZONA DA LEOPOLDINA NA GEOGRAFIA CARIOCA, de Hugo Costa

O geógrafo Hugo Costa já nos brindou com o artigo BRT TRANSCARIOCA, UM LEGADO PARA QUEM?, de enorme repercussão neste blog, com mais de 2000 visualizações em apenas 48 horas, e ainda o mais lido dos últimos 30 dias.

Em novo texto, o autor traça um panorama da Zona Norte da Cidade, região que precisa da atenção dos gestores públicos para além das falhas encontradas nos (des)caminhos do BRT.[...] Leia mais

BRT TRANSCARIOCA, UM LEGADO PARA QUEM? de Hugo Costa

Transcarioca, Lote 2. Imagem: Google Earth
 

A via expressa para BRTs Transcarioca já frequentou as páginas deste blog em SEMPRE O GABARITO, 2014, ÁREA DE ESPECIAL INTERESSE URBANÍSTICO A.E.I.U. TRANSCARIOCA – GABARITOS, ETC. e TRANSCARIOCA, BRT, METRÔ E GABARITOS, entre outras postagens com foco na mudança nas leis urbanísticas da região abrangida pela via, com vistas a aumentar o potencial construtivo dos terrenos lindeiros.

Neste artigo o geógrafo Hugo Costa, entre outros aspectos, reúne notícias da grande mídia que questionaram o custo da obra e relata as más condições e abandono das áreas atingidas pela avenida (v. imagens), cujo traçado também “utilizou-se de áreas Verdespraçasquadras de esporte e jardins”. No final do post está o vídeo de reportagem em canal de televisão.

Boa leitura. =&0=& Nota: A Transcarioca abrange os bairros Acari, Barros Filho, Bento Ribeiro, Bonsucesso, Brás de Pina, Campinho, Cascadura, Cavalcanti, Cidade Universitária, Coelho Neto, Colégio, Complexo do Alemão, Costa Barros, Engenheiro Leal, Galeão, Guadalupe, Higienópolis, Honório Gurgel, Irajá, Madureira, Maré, Marechal Hermes, Olaria, Osvaldo Cruz, Penha, Penha Circular, Praça Seca, Quintino Bocaiúva, Ramos, Rocha Miranda, Tanque, Turiaçú, Vaz Lobo, Vicente de Carvalho, Vila da Penha, Vila Kosmos e Vila Valqueire.  
Imagens na Barra da Tijuca – Internet
Imagens no bairro de Ramos – autor: Hugo Costa
   =&1=& =&2=& O projeto de Bus Rapid Transit (BRT) Transcarioca consistiu em construir um corredor exclusivo de ônibus articulados entre a Barra da Tijuca e o Aeroporto do Galeão, no Rio de Janeiro. Transversal a malha de transportes da cidade, o corredor atravessa bairros litorâneos, considerados mais nobres, e os antigos e tradicionais – porém esquecidos pelo poder público – subúrbios da zona norte da cidade. A obra dividiu-se entre Lote 1, correspondente ao antigo projeto da década de 60 – Corredor T5- ligando a Penha e a Barra da Tijuca, e o Lote 2, com projeto e execução feitos entre 2010 e 2014, seguindo da Penha até o Aeroporto. Uma ex-integrante do conselho do consórcio formado pela OAS, Carioca Engenharia e Contern, responsável pelas obras da Transcarioca, relatou recentemente  que o contrato de 500 milhões de reais para fazer o lote 2 da obra teve propinas: 1% do valor da obra ao Tribunal de Contas Municipal (TCM), outro 1% ao então Secretário Municipal de Obras, e 3% aos fiscais do Ministério das Cidades. Em sua defesa, o TCM disse desconhecer a autora do relato, e informou que graças ao seu trabalho o projeto do lote 2 do BRT Transcarioca poupou 6 milhões aos cofres públicos. O ex-Secretário de Obras Públicas da Prefeitura do Rio, não se manifestou a respeito. Não é a primeira vez que o TCM fala sobre custos do BRT Transcarioca: Como a obra começou pelo Lote 1 e em área nobre da cidade, depois avançando pelos subúrbios cariocas, o primeiro trecho na Barra da Tijuca gastou 66 milhões reais a mais do que previsto e assim o TCM em 2014 definiu que este valor deveria ser devolvido aos cofres públicos. Mas como se devolve este dinheiro já gasto? Economiza-se no Lote 2 que ainda não estava pronto? O projeto original do lote 2 era seguir pela 

Estrada Engenho da Pedra nos bairros de Olaria e Ramos[...] Leia mais

CINEMA LEBLON – CAUSA PERDIDA: THE END

Cinema Leblon – Fachada voltada para a Rua Carlos Góis

Apenas recentemente um grupo de moradores e outras pessoas interessadas pelo Leblon – em especial pelo único cinema de rua que reatava no bairro – se deu conta de que o prédio que abrigava o Cinema Leblon estava sendo demolido. Em diálogos apaixonados travados em rede social, os defensores da memória urbana propunham-se a organizar protestos para salvar o cinema.
Infelizmente não há o que resguardar.
Este blog tratou do assunto desde os seus primórdios até o destombamento efetuado pelo então prefeito do Rio de Janeiro em 2014. Conforme afirmamos em ADEUS, CINEMA LEBLON! e em outros posts –

“É verdade que tombamento e preservação não garantem a permanência de atividades comerciais. Mas também é inegável que a manutenção das edificações permite que outras medidas colaborem para a longevidade daquelas ou de usos similares”[...] Leia mais

IDEB NO RIO DE JANEIRO, A URBE CARIOCA: SALVE MARACANÃ, SALVE SANTA CRUZ!

“O Antigo Museu do Índio não apenas foi poupado pelo governador como, ontem, surpreendentemente, foi tombado PELO PREFEITO, tal como o Parque Aquático Julio Delamare e o Estádio de Atletismo Célio de Barros, antes condenados com veemência, foram destombados e agora des-destombados! Até a Escola Municipal – que não precisava ser tombada, diga-se, bastava deixá-la, e aos pais e alunos, sossegados – foi alvo das reflexões preservacionistas”.

Trecho de O INCRÍVEL TOMBAMENTO DO ANTIGO MUSEU DO ÍNDIO E DOS EQUIPAMENTOS DESPORTIVOS VIZINHOS AO MARACANÃ

 

A divulgação do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) em toda a grande imprensa, nos últimos dias, foi nada alentadora, salvo algumas exceções. No caso do ensino médio público,

apenas quatro Estados atingiram as metas traçadas: Amazonas, Goiás, Pernambuco e Piauí. O nosso Estado do Rio de Janeiro foi reprovado[...] Leia mais

POSTS SOBRE O METRÔ DO RIO – NOVOS RECORDES DE VISUALIZAÇÕES

Atualização em 23/07/2016, sábado – Nota no jornal O Globo de hoje (Coluna Gente Boa) informa que moradores do Leblon farão um protesto no próximo dia 30 contra o projeto de paisagismo da Praça Antero de Quental. V. =&0=&.

O artigo UM PROJETO REAL E VIÁVEL PARA O METRÔ DO RIO, de Miguel Gonzalez foi publicado neste blog há pouco mais de quatro anos e sempre se manteve entre os posts mais lidos desde então.

Nos últimos dias, a excelente análise do autor – que é responsável pelo blog Metrô do Rio, fonte preciosa de informações e estudos sobre o tema mobilidade urbana – voltou a bater recordes de acessos, o que creditamos a alguns fatos recentes:


Praça Nossa Senhora da Paz, trecho preservado. Foto: Urbe CaRioca, junho 2016
Praça Nossa Senhora da Paz, parte central. Foto: Urbe CaRioca, junho 2016


_ A abertura da Avenida Ataulfo de Paiva e a entrega das Praças Nossa Senhora da Paz e Antero de Quental (Ipanema e Leblon, respectivamente);


_ A surpresa causada pelas praças despojadas de sua antiga vegetação frondosa, substituída por palmeiras e, em especial, a construção de respiradouros e dois acessos gigantescos próximos um do outro na Praça Antero de Quental, que a irreverência do carioca já apelidou de “Chernobyl”;


Praça Antero de Quental, Leblon. Foto: Urbe CaRioca, 19/07/2016
Praça Antero de Quental, Leblon. Foto: Urbe CaRioca, 19/07/2016

_ As notícias de que a ampliação da Linha 1, rebatizada de Linha 4 Sul, ficará disponível apenas para portadores do cartão RioCard Olímpico, e de que a construção da Estação Gávea foi postergada;


_ A repercussão da ótima e instigante reportagem de Ítalo Nogueira publicada no jornal Folha de São Paulo em 18/07/2016 – “Obra de metrô do Rio usou contratos firmados no século passado”.


Por todo o exposto e as várias análises de especialistas que lamentam o abandono da Linha 2 (deveria ter sido concluída pelo menos até à Estação Carioca) e afirmam ter sido equivocada a mudança do trajeto da Linha 4 original, soluções que melhor atenderiam à cidade e à população, em especial os moradores da Zona Norte, e beneficiando também alguns municípios da Região Metropolitana, vale repetir o artigo esclarecedor de Miguel Gonzalez que pode ser lido no link abaixo. Recomendamos ainda a leitura sobre a “Estação Fantasma” – a segunda plataforma da Estação Carioca, também de Miguel Gonzalez.



Urbe CaRioca




Miguel Gonzalez, 27/06/2012


Terreno onde deveria ter sido construída a Estação Morro de São João, na Rua Álvaro Ramos,
Botafogo, próximo ao Shopping Rio-Sul, integrante do projeto da Linha 1

[...] Leia mais